6 coisas que você não sabia sobre o diabo e seus demônios, segundo exorcista Fortea

por -
Pixabay

O reconhecido exorcista Pe. José Antonio Fortea, em sua “Summa Daemoniaca”, menciona um grande conjunto de questões relativas ao demônio que é importante que todos os cristãos levem em conta para o combate espiritual em vista do céu. Aqui estão 6 coisas que talvez você não sabia sobre o diabo e seus demônios:

1 – O inimigo tem vários nomes

No Antigo Testamento se chama “Satanás”, que significa adversário, inimigo, opositor. Da mesma forma, no Novo Testamento se chama “Diabo”, que vem do verbo grego “diaballo”(acusar, dividir). A tradução da palavra demônio, no grego “daimon”(gênio), é usada para designar seres espirituais malignos.

Lúcifer é um nome que não está nas Sagradas Escrituras e que significa “estrela da manhã” ou “o portador da luz”. O qual “recorda a pena tão grande que é o que, sendo tão belo, caíra”, indica o Padre Fortea. Entretanto, o sacerdote segue a mesma ideia de outro renomado exorcista, Pe. Gabriele Amorth, que considera que Lúcifer é o nome próprio do segundo demônio em importância na hierarquia demoníaca.

2 – A grande prova

Todos os anjos, ao serem criados por Deus, sabiam quem O era seu criador, porém passaram por uma prova “antes da visão da essência da Divindade. À título de comparação, o sacerdote explica que seria como dizer que “viam a Deus como uma luz, que o ouviam com uma voz majestosa e santa, porém que seu rosto continuava se se desvelar”.

“Na prova, uns obedeceram e outros desobedeceram; Os que desobedeceram, de forma irreversível, se transformaram em demônios. Eles mesmos se transformaram no que são. Ninguém ordenou que fosse assim.”

3 – A batalha no céu foi intelectual

A respeito, o exorcista indica que os anjos desobedientes passaram a odiar a Deus e a vê-lo como uma cadeia que oprimia sua liberdade. A batalha entre Miguel e Lúcifer, cada um com seus anjos, não foi com armas, já que não tem corpo, “mas as únicas armas que podem portar são os argumentos intelectuais”, explica.

“Uns se fizeram mais soberbos, outros nem tanto. Cada anjo rebelde foi deformando-se mais e mais, cada um em seus pecados específicos. Assim como, pelo contrário, os anjos fiéis foram se santificando progressivamente. Uns anjos se santificaram mais em umas virtude, e outros em outras… os anjos foram admitidos na presença divina, e aos demônios se permitiu que ficassem longe”.

4 – A razão de sua rebeldia

Só neste ponto se toma como referência o livro “História do mundo angélico”, também do Pe. Fortea. Nele sugere que a prova pela qual passaram os anjos, foi a revelação que Deus fez a eles sobre a criação do mundo material com a humanidade, e que Ele se faria homem para salvar os pecadores, e que nasceria de uma mulher, e ela seria rainha do anjos.

Lúcifer não pôde suportar essa ideia, acreditava que ele seria a “obra-prima” do Criador. Mais adiante, com outros anjos, acusaram a Deus de estar equivocado e se rebelaram por completo. Os anjos que acataram a vontade de Deus, se prostraram e adoraram aos seu Criador, ainda que sem ver totalmente sua essência. Enquanto que os rebeldes se apartaram do amor de Deus.

5 – Sofrem ao se considerarem Deus

Cada anjo caído “encontra prazer no saber, mas também sofrimento. Sofre cada vez que esse saber o leva a se considerar Deus. E o demônio percebe continuamente a ordem e a glória do Criador em todas as coisas. Até nas coisas aparentemente neutras, O encontra refletido, e isso recorda-o dos atributos divinos que lhe faltam.”

Entretanto, o exorcista explica que “o demônio não está sofrendo todo o tempo. Muitas vezes simplesmente pensa. Só sofre em alguns momentos, quando se lembra de Deus, quando toma consciência do seu estado miserável, e da sua separação de Deus “.

6 – Ele não é o 666

O Padre exorcista afirma que identificar a figura bíblica do Anticristo com o diabo é um erro. Já que o “666” que o Apocalipse menciona é um ser humano. Portanto, um homem que propaga o ódio, a guerra e o mal. “Nero, Napoleão, e especialmente Hitler são figuras e esboço do anticristo definitivo e perfeito”, assinala.

Também nos aclara muito a figura do anticristo em seu próprio nome: ANTI-CRISTO. Quer dizer que se trata da figura contrária a Cristo. Cristo era um homem, o Anti cristo também. Cristo estendeu amor, paz e misericórdia. O Anticristo estenderá ódio, guerra e vingança”.

[Leia também: O demônio que quer destruir as famílias]
[Leia também: 5 Santos que lutaram contra o demônio]

Comentários

comentários