4 deliciosas comidas que devemos à Igreja Católica!

Créditos: The Catholic Talk Show/Divulgação

Que a Igreja Católica influenciou as sociedades com a fé, moral, ensinamentos, instituições e muitas outras coisas a gente já sabe… mas você sabia que ela também merece o crédito por estas incríveis e deliciosas comidas? Confira!

1) Café

Conta-se, a “questão do café” chegou por volta de 1600, durante o pontificado do Papa Clemente VIII. O café já era popular no mundo muçulmano e estava começando a encontrar seu caminho para a Europa cristã.

Mas alguns cristãos, que estavam acostumados a tomar vinho, começaram a achar que o café de alguma forma representava uma bebida anti-cristã, como sendo uma “amarga invenção de Satanás”.

Os conselhereiros disseram para o pontífice condenar a bebida e proibí-la para os católicos. Porém o Papa não só amou a bebida como achou que seria um desperdício deixá-la apenas para os “infiéis”. E claro, em pouco tempo ela se popularizou.

2) Galinha

Pode parecer super normal hoje em dia comermos frango empanado, frito, cozido, assado e de tantas outras maneiras. Mas a prática de se alimentar do animal não era tão comum assim antigamente…

Em escavações no sudeste da Ásia, arqueólogos descobriram, pelo estudo dos ossos das aves que estavam no solo, que elas não possuiam um hormônio que quase todas as galinhas possuem atualmente. Só a partir do século IX que este gene foi se tornando muito mais comum nas galinhas. E o que causou esta mudança?

Teve a ver com os monastérios beneditinos! Devido às práticas de abstinência de carne pela Igreja Católica, eles não podiam comer “animais de quatro patas”, porém a medida não se estendia para as aves, que tinham apenas duas. Ao perceber que algumas aves eram menos agressivas, cresciam mais e davam mais ovos, começaram a domesticá-las e fazê-las procriar.

Esta “seleção natural” fez com que as aves com este hormônio (que se desenvolviam melhor) se reproduzissem e se multiplicassem, tornando o gene muito comum até os dias de hoje. E claro, ficaram mais disponíveis e agradáveis ao consumo. E assim, domesticar e se alimentar de galinhas foi se tornando comum.

3) Pizza

Você sabia que o primeiro registro de entrega de pizza foi feito para um bispo católico? E a palavra pizza foi usada pela primeira vez em um documento de uma catedral católica?

Os documentos foram encontrados nos arquivos da Catedral de São Erasmo e Santa Maria Assunta em Gaeta, na Itália. Tratava-se de um contrato de aluguel entre um duque e o bispo da época pelo uso de um moinho dentro do território da igreja. O mais incrível? O valor do aluguel não era pago em dinheiro e sim em… pizza!

Pelo uso do equipamento para moer grãos, o duque se comprometeu a levar todo ano, por ocasião do Natal, 12 pizzas para o bispo e para os seus futuros sucessores, além de um ombro de porco e algumas galinhas na festa da Páscoa. Foi aí então a primeira entrega e o primeiro lugar que se tem notícia da pizza sendo chamada assim pela primeira vez.

4) Bacon

Das três religiões originárias em Abrãao, apenas o cristianismo permite o consumo de carne de porco -no islamismo e judaísmo, não. E a autorização foi dada não apenas por um Papa, mas pelo primeiro deles: São Pedro.

Nas Sagradas Escrituras (Atos 10, 9) é narrada a visão que o apóstolo teve de uma toalha que descia do céu com todas as comidas tradicionalmente proibidas na época para os judeus (pelas leis da Antiga Aliança) e uma voz lhe mandava comer, mas ele se recusou. Ao que a voz respondeu “O que Deus purificou não chames tu de impuro”. Ou seja, na Nova Aliança, certos ritualismos alimentares da lei tinham ficado para trás. Liberou geral!

E aí, qual dessas comidas é a sua preferida?

Texto inspirado em um episódio do The Catholic Talk Show.

[Leia também: A bênção da cerveja existe! Não é brincadeira!]
[Leia também: Sanduíche McFish nasceu para atender católicos às sextas-feiras]

Comentários

comentários