Assim é ter o Papa Francisco ouvindo sua confissão

por -

Você já se perguntou como seria se confessar com o Papa Francisco?

Uma americana estudando em Roma recentemente teve uma resposta para essa pergunta. E ela chamou esta experiência de um genuíno encontro com um pai espiritual – e isso foi surpreendentemente normal.

“Papa Francisco pratica o que ele prega quando fala sobre ser um pai terno no confessionário, ” Leslie Knopf contou ao CNA.

Ela disse que o Papa foi muito amável durante toda confissão e muito dedicado em compreendê-la e de onde veio. Entretanto, ele também esteve certo em chegar no coração daquilo que era discutido.

“Foi a audiência mais privada que você poderia ter com o Papa, porque ninguém poderia nos interromper, e bastava estar cara a cara para receber a graça de Deus naquele momento, ” Ela disse.

Knopf disse que estava “completamente confortável” em ser ela, e que junto com o Papa ainda dividiram algumas risadas sobre algumas palavras italianas que ela tivera dificuldade em pronunciar. O Papa, ela disse, “foi totalmente presente nas necessidades da minha alma. ”

“Foi uma verdadeira experiência de graça, na qual não foi meramente dizer que tudo está ok, mas verdadeiramente chamar a conversão.”

Knopf, natural de Louisville, Kentucky, está atualmente cursando sua licenciatura em Comunicação Interna da Igreja na Universidade Pontifícia da Santa Cruz em Roma. Ela ainda atua como Diretora de Comunicações para a Catholic Bytes, e diretora em uma nova iniciativa chamada Misericordia Media.

Ela foi uma de várias pessoas que tiveram a oportunidade de se confessar com o Papa Francisco no dia 04 de maio, durante seu evento anual “24 horas para o Senhor”, o qual acontece na quarta sexta e sábado da quaresma dentro da Basílica de S. Pedro.

Uma iniciativa mundial liderada pelo Papa Francisco, o evento indica a confissão como o meio primário para uma experiência com o abraço misericordioso de Deus. Foi lançado em 2014 sob a direção do Conselho Pontifício para a promoção da nova evangelização.

Como parte do serviço penitencial, o Papa Francisco se confessou antes do mesmo conceder o sacramento para um número de pessoas, uma das quais foi Knopf.

Ela disse que ela não tinha idéia de que se confessaria com o Papa, e apenas descobriu no dia anterior. “Foi uma surpresa total,” ela disse, explicando que foi selecionada devido ao envolvimento dela com o Misericordia Media.

Uma iniciativa do Jubileu da Misericórdia, o Misericordia Media é um projeto do Catholic Bytes e oferece um áudio de  reflexão para peregrinos que passam pela Porta Santa na Basílica de São Pedro, bem como um breve vídeo de 10 minutos que aborda o tema da Misericórdia pela Basílica.

Knopf  disse que durante a confissão, Papa Francisco lhe deu conselhos gerais os quais aplicará em todas as áreas da vida dela.

“Ele disse que discernir a vontade de Deus, é realmente fácil –  você deve apenas perguntar e rezar e ele vai te fazer saber. Então pergunte e reze ao Senhor em cada passo do caminho e Ele te fará saber.

Ela disse que foi particularmente significativo se confessar com o Papa Francisco durante o Jubileu da Misericórdia, desde que ele fez uma forte ênfase no sacramento durante o Ano Santo.

“Este foi um dos pontos mais importantes da minha experiência que foi tão linda,” ela disse, acrescentando que outra parte significante da confissão foi que ela foi “extremamente normal”.

“Realmente me colocou na perspectiva de estar me encontrando com Cristo no confessionário,” Knopf disse, notando que sempre que ela vai se confessar Cristo é aquele perdoando seus pecados, “e minha preparação deveria refletir isto independente de quem esteja atuando como seu representante no confessionário, se é o padre recém ordenado ou o vigário de Cristo na Terra.”

Para aqueles que têm medo de ir se confessar ou que não o fazem há anos, Knopf diz para não temer, e focar no que o Papa Francisco disse durante o Jubileu: no confessionário é a “face misericordiosa de Cristo” que encontramos.

“Não há nada que você possa levar ao confessionário que não será perdoado, ” ela disse, acrescentando que a confissão é tudo sobre o “sacramento do amor, ” então não há nada a temer.

 Publicado originalmente em  Catholic News Agency.

Elise Harris é correspondente da Catholic News Agency na Itália.