Esta mulher católica é diabética e tem paralisia, mas deu seu tubo de oxigênio a um paciente com Covid-19

por -
Créditos: Asianews.

“Não se preocupe comigo”, disse Rosy, “se eu vivo ou morro é um presente de Deus. Vamos salvar a vida dos enfermos”. Ela contou isso ao marido, Pascal Saldanha, um decorador católico de Malvani (um subúrbio de Bombaim, Índia), e entregou seu tubo de oxigênio para pacientes do COVID-19.

Rosy Saldanha tem 52 anos e é diabética. Em 2016 ele teve uma hemorragia cerebral e acabou em coma; seus rins entraram em colapso e ele sofreu uma leve paralisia desde então.

“Desde que voltou para casa, ele tem que fazer diálise três vezes por semana. Hoje pesa 40 quilos, mas ainda corre risco de infecção”, diz Pascal. E apesar de sua vulnerabilidade, a fé católica a leva a ajudar pessoas com complicações maiores do que ela.

Com 360 mil novas infecções por dia, a Índia está lutando para conter a pandemia Covid-19. A falta de oxigênio nos hospitais é uma tragédia diária para muitos pacientes.

Seu marido, Pascal, contou ao Asianews sobre o incrível sacrifício de amor de Rosy para ajudar os pacientes do COVID-19.

Esta mulher católica é diabética e tem paralisia, mas deu seu tubo de oxigênio a um paciente com Covid-19

“Em 18 de abril, no auge da segunda onda da pandemia do coronavírus, meu amigo de infância Rafique Siddiqui me disse que um professor da Holy Mother English School – a escola da qual ele é o diretor – não conseguiu oxigênio para tratar sua esposa, que pegou Covid”, diz Pascal.

“Quando eu contei a ela sobre isso, minha esposa Rosy decidiu doar o cilindro de oxigênio de emergência que temos em casa para Shabana Malik”. E continua: “No mesmo dia em que falei com Rafique, entregamos o tanque de oxigênio a Shabana”.

“Devemos sempre ajudar os pobres e necessitados”, disse Rosy. “Estou doente, mas é preciso apoiar quem tem dificuldades, fazer feliz”, acrescentou.

E nesta circunstância, Rosy e Pascal, com seus filhos, não têm dinheiro sobrando. “Com a emergência sanitária, há poucos casamentos e meu trabalho como decoradora foi afetado. Apesar disso, temos o prazer de ajudar os outros com o que temos“.

“Rosy insistiu que eu vendesse joias para comprar mais tanques de oxigênio e doá-los. Arrecadamos 80 mil rúpias com a venda. Além do marido de Shabana, entregamos cilindros de oxigênio para sete pessoas. Também irei vender o meu gerador por 400 mil rúpias para ajudar outros doentes”.

Que belo testemunho de amor ao próximo! Rezemos por todos os enfermos!

[Leia também: Mulher sai ilesa de coma: “Eu vi Padre Pio colocar minha alma de volta no corpo”]
[Leia também: Covid-19: Conheça o jovem médico que resgata almas na UTI]