Estas freiras reconstruíram um mosteiro em ruínas e abriram uma fábrica de chocolate!

por -
Créditos: Twelve Magazine

Um antigo mosteiro reconstruído e uma fábrica de chocolate de sucesso! Localizada na Occitânia, na França, a Abadia de Bonneval foi fundada em 1147. Desde o início, a comunidade abrigou um mosteiro cisterciense, que foi posteriormente expulso durante a Revolução Francesa.

Desde 1875, cerca de 20 freiras trapistas residem lá. E desde 1878, essas religiosas dirigem uma fábrica de chocolate entre seus serviços diários.

Estas freiras reconstruíram um mosteiro em ruínas e abriram uma fábrica de chocolate!

Era uma vez a Abadia de Bonneval…
A Abadia de Bonneval fica localizada no fundo de um vale – © Abbaye de Bonneval

A história de Bonneval começa em 1143. O bispo de Cahors, Dom Guillaume de Calmont d’Olt, era dono de um castelo familiar com vista para Espalion, França.

Ele então trouxe sete monges cistercienses da Abadia de Mazan, em Vivarais, com seu prior Adhemar. Logo as vocações fluíram e a comunidade cresceu. Os monges finalmente se mudaram para um lugar mais pacífico no fundo de um “bona val” (que significa “bom vale”). E construíram a Abadia Bonneval!

Nos séculos XII e XIII, o mosteiro atingiu o seu apogeu, tanto em número de monges como em bens e posses. Infelizmente, a Abadia de Bonneval sofreu com os conflitos de seu tempo.

Em particular, eles enfrentaram a Guerra dos Cem Anos e conflitos com os ingleses no século XIV. Eles também enfrentaram as Guerras Religiosas Européias no século XVI e os levantes no Reino da França no início do século XVII.

Entre todos os conflitos, esse período enfraqueceu a comunidade em todos os sentidos. Até fez com que os irmãos e postulantes fugissem e afetou a aplicação das regras monásticas.

Caos na Abadia de Bonneval

A Revolução Francesa turvou ainda mais o quadro. Enfraquecidos e arruinados, os monges não podiam mais ajudar os pobres. No entanto, o Estado tolerou a abadia por causa dessa atividade. Os monges foram forçados a interromper sua distribuição diária de pão no portão do mosteiro, levando a tumultos.

Tudo mudou na Quinta-feira Santa de 1791. De acordo com os arquivos de Espalion, “uma multidão de mendigos” forçou a abadia a chamar a Guarda Nacional.

Durante o evento, os irmãos e cerca de 50 camponeses se refugiaram em uma das masmorras da abadia para resistir à multidão enfurecida. A Guarda Nacional restaurou a ordem e expulsou os 13 monges restantes.

Apenas o irmão Jean-Jacques Seconds se recusou a assinar a Constituição Civil (o que o teria salvado da prisão), pela qual foi deportado.

A Abadia de Bonneval foi posteriormente dividida em lotes e vendida. Aos poucos foi se transformando em pedreira. Foi o fim de mais de seis séculos de história. Um triste destino.

Ao chegar à Bonneval, grandes obras aguardam as irmãs – © Divine Box
O retorno da Abadia de Bonneval e a chegada de fábrica de chocolate

Em 1850, um padre local sugeriu pela primeira vez que monges trapistas se instalassem lá. Mas a ordem recusou porque o local era considerado muito selvagem e impróprio para a agricultura.

Finalmente, em 1875, as bravas freiras trapistas de Maubec, na França, aceitaram o convite do Bispo de Rodez para morar ali. As reformas começaram em setembro daquele ano.

Ao chegarem, a Abadia de Bonneval estava em ruínas, a igreja estava a céu aberto e o claustro já não existia. Assim, elas usaram a propriedade como um mosteiro temporário.

As freiras vivem um aperto, é claro, mas pelo menos não sentiam frio. Felizmente, eles contaram com a ajuda de Dom Emmanuel, um monge da Abadia de Aiguebelle.

As obras foram iniciadas em 19 de julho de 1877, após a bênção da primeira pedra. A planta original foi preservada, assim como as paredes de 6,5 pés de espessura que ainda permanecem de pé.

Para atender às suas necessidades, as freiras da Abadia de Bonneval começaram a fazer chocolate em 1878 – © Divine Box
Obrigado, Dom Emmanuel!

Graças ao enérgico Dom Emmanuel, as irmãs começaram a trabalhar em ofícios monásticos. Sob sua liderança, desenvolveram uma pequena fábrica de chocolates em Bonneval, garantindo sua autonomia financeira.

Na verdade, os solos inclinados da área impediam um bom cultivo da terra. Depender da agricultura, uma especialidade da ordem trapista, era impossível.

A fábrica de chocolates Bonneval Abbey decolou rapidamente, movida por um motor hidráulico que extraía energia da correnteza do rio.

Posteriormente, as irmãs ganharam várias competições regionais. Em 1884, o júri do concurso regional de Rodez concedeu-lhes a medalha vermeil.

Em 1895, chocolate delas recebeu a medalha de bronze, a maior premiação concedida a produtos similares, em uma exposição em Bordeaux.

Em 1927, um mestre chocolatier treinou as freiras e lhes deu seus segredos para fazer com que todos derretessem.

Uma irmã da Abadia de Bonneval, pronta para enviar seus chocolates!  © Twelve Magazine
A Abadia de Abbey hoje

Hoje, 21 irmãs vivem na Abadia de Bonneval. Elas são trapistas (cistercienses de estrita observância) e, portanto, seguem a regra de São Bento “ora et labora” (rezar e trabalhar).

O primeiro dos sete serviços diários é às 4h30. Enquanto isso, as irmãs lutam para secar o cacau, misturá-lo para obter cada receita, colocá-lo nas formas, embalar o chocolate, etc. Sem esquecer, é claro, o bom funcionamento da casa de hóspedes e da abadia: limpar, esfregar, cozinhar, etc. Elas realmente não têm tempo para ficar entediadas!

Ainda hoje, as irmãs Bonneval Abbey continuam a tradição de fazer chocolate – © Twelve Magazine
[Leia também: O chocolate Ferrero Rocher e a fascinante relação com uma aparição da Virgem Maria]
[Leia também: A pouco conhecida relação entre os ovos de Páscoa, a Ressurreição e a Igreja Católica]