Jovem de 15 anos bloqueia Parada LGBT com crucifixo e rosário na Polônia

    por -
    @satribesman, Twitter / @ManofCath, Twitter

    Que coragem! 👏

    No último dia 10 de agosto, aconteceu na Pôlonia a primeira marcha do orgulho lgbt, na região de Płock. Porém, o que chamou a atenção de todos foi o ato corajoso de um jovem de 15 anos.

    O jovem Jakub Baryła parou na frente da marcha com um crucifixo e um rosário. O jovem disse a polícia: “Estou aqui para defender a fé católica. Vocês podem me tirar daqui”.

    Assista abaixo:


    Clique aqui se você não puder ver o vídeo acima.

    Baryla contou que sua grande inspiração foi o Padre Ignacy Skorupko. Pe. Skorupko é famoso por parar um avanço dos Bolcheviques na cidade de Varsóvia no ano de 1920 empunhando um crucifixo e o rosário.

    Baryla contou a uma agência de notícias da Polônia que teve a ideia, mas logo desistiu porque ficou com medo das reações negativas. No entanto, quando viu uma imagem blasfema de Nossa Senhora de Częstochowa com auréolas de arco-íris, “decidi que deveria voltar à minha ideia”.

    Veja o que o jovem contou sobre sua experiência na marcha:

    “Eu queria que o maior número de pessoas pudessem ver meu gesto. Eu queria que ele fizesse refletir e discutir.

    Primeiro, andei com a cruz na frente de um cordão de policiais que protegia a marcha. Depois, sentei-me na calçada e rezei o “Salve Regina” em latim. Dirigi minha oração à Mãe de Deus, o ideal de pureza.

    Os policiais vieram e pediram para eu me levantar. Eu disse que não poderia fazê-lo porque os participantes da marcha estão destruindo minha fé católica e profanando a bandeira polonesa colocando um arco-íris nela”.

    A polícia acabou removendo Baryla da marcha.

    Aqui estão as fotos da marcha:

    @ManofCath, Twitter
    @ManofCath, Twitter
    @ProteçãoFaith, Twitter
    @ManofCath, Twitter
    @ProteçãoFaith, Twitter

    Baryla: “Eu quero ser padre”

    O jovem contou que algumas pessoas disseram que suas ações vão “avançar sua carreira política”. Ele respondeu dizendo que “isso não é verdade”.

    Eu não quero ser político. Eu quero ser padre. Não quero reconhecimento no espaço público. Aconteceu naturalmente, mas foi um efeito colateral, não o propósito da minha ação”.

    Baryla postou no dia 13 de agosto um tweet dizendo que defender a Fé contra ataques é uma necessidade.

    Supliquemos a Deus coragem e força para defendermos a fé católica como Cristo nos chama!

    [Leia também: Sacerdote Ortodoxo limpa o Centro da sua cidade com água benta depois de parada LGBT]

    Comentários

    comentários