Muçulmanos se convertem a fé cristã por causa da crueldade do Estado Islâmico

por -
YouTube / Public Domain

A graça de Deus sempre supera todas as expectativas!

A NBC News relatou as histórias de vários muçulmanos que se converteram ao cristianismo depois de testemunhar e experimentar a horrível brutalidade do Estado Islâmico.

Depois que o EI foi expulso da cidade de Kobani, norte da Síria, há quatro anos, muitos muçulmanos se perguntaram se deveriam permanecer fiéis à sua fé.

Muçulmanos convertidos ao cristianismo é muito raro na Síria, mas isso acontece. No entanto, “aqueles que abandonam o Islã são frequentemente marginalizados por suas famílias e comunidades”.

Segundo o relatório da NBC, a igreja “Brethren” é a primeira igreja cristã a abrir nessa região depois décadas. E esta igreja tem atraído muitas pessoas.

Veja o relato de alguns muçulmanos que se converteram ao cristianismo: 

Farhad Jasmin, mecânico, 23 anos, converteu-se em 2018:

De acordo com a NBC News, ele foi prisioneiro do EI por seis meses em 2016, foi torturado e forçado a recitar o Alcorão depois que perceberam que ele não conhecia “o básico do Islã”.

Depois de testemunhar a brutalidade deles com meus próprios olhos, comecei a ser cético sobre minha crença”disse Farhad à NBC News.

Se o Estado Islâmico representa o Islã, eu não quero mais ser muçulmano“, acrescentou. “O Deus deles não é meu Deus…” E assim, concluiu, “não demorei a descobrir que o cristianismo era a religião que eu procurava”.

Entretanto, depois de sua conversão, seus amigos e familiares se afastaram dele. Farhad disse que espera que um dia todos o perdoem e também se convertam.

Firas, fazendeiro de 47 anos, também se converteu ao cristianismo em 2018:

O fazendeiro identificado apenas como Firas, é casado e tem três filhas. Em relato à NBC News, ele contou que viu o Estado Islâmico punindo severamente as pessoas por desobedecerem as tradições muçulmanas ou discordarem de algum ponto da crença.

Firas conta que o EI mantinha pessoas presas em gaiolas no meio da rua durante o verão escaldante simplesmente por não seguirem o jejum do Ramadã.

Eu vi homens e adolescentes sendo chicoteados nas ruas porque foram pegos fumando. Eu vi cadáveres de jovens sendo jogados de prédios altos por serem gays”, disse ele a NBC News.

Ele acrescentou que “os membros do EI aterrorizavam as pessoas e depois iam à mesquita para rezar a Allah… Depois de suas orações, deixavam a mesquita e aterrorizavam as pessoas novamente”.

A brutalidade que ele testemunhou no califado foi demais para suportar. “Se o céu é feito para o EI e sua crença, eu escolheria o inferno para mim mesmo, em vez de estar novamente com eles no mesmo lugar, mesmo que seja o paraíso”.

Firas encontrou no cristianismo a força e a esperança para continuar vivendo.

Oremos pela conversão dos muçulmanos!

[Leia também: Muçulmanos tem buscado exorcismos com padres católicos]

Comentários

comentários