O Homem-Aranha foi ao Vaticano conhecer o Papa?

por -
Créditos: Vatican Media

Toda quarta-feira, o Papa Francisco recebe, cumprimenta e abençoa dezenas de fieis que vão ao Vaticano para participar da Audiência Geral. Mas neste dia 23 de junho, apareceu um convidado um tanto quanto inusitado: o Homem-Aranha!

O Homem-Aranha foi ao Vaticano conhecer o Papa?

O homem por trás da máscara do super-herói é Mattia Villardita, de 28 anos. E o significado da fantasia é um tanto quanto especial: ele se veste de personagens de quadrinhos para visitar crianças em diversos hospitais da Itália.

“Eu tento aliviar um pouco do sofrimento dos pacientes”, contou ao portal Catholic News Agency.

Em sua ida ao Vaticano nesta quarta-feira, o desejo de Mattia era, além de receber a bênção do Santo Padre, presenteá-lo com sua máscara do Homem-Aranha. “Sou católico e estou muito feliz com esta experiência”, disse ele.

E por que este personagem? “Era o meu preferido quando era criança”, conta.

“Tudo isso surgiu de uma história pessoal. Fui paciente durante 19 anos no Hospital Pediátrico Gaslini de Gênova, porque nasci com uma malformação congênita“. Quando pequeno, ele precisou fazer várias cirurgias e passou muito tempo se recuperando em quartos de hospitais. “E essa experiência me ajudou a ajudar esses pacientes e suas famílias”.

Villardita lançou seu projeto “Super-heróis na Enfermaria”, há dois anos. Alguns de seus amigos também são voluntários, se vestindo como personagens famosos. No ano passado, Villardita foi nomeado Cavaleiro da Ordem do Mérito da República Italiana, uma honra que lhe foi conferida pelo presidente italiano por sua atuação como “herói de todos os dias”.

Na ocasião do encontro com o Papa, Mattia aproveitou para contá-lo sobre o sofrimento das crianças e suas famílias que encontra todos os dias. Segundo ele, foi um momento “muito, muito comovente”.

Confira algumas fotos:

Que linda história!

[Leia também: Conheça alguns heróis dos quadrinhos que são cristãos]
[Leia também: 5 santos que não eram super-heróis mas tinham “super poderes”]