Quando Maria apareceu a cristãos e muçulmanos em pleno século XX

por -
Créditos: faithofthefathersapparitions.blogspot.com

Israel tinha vencido a Guerra dos Seis Dias no ano anterior e o Egito havia perdido a península do Sinai para eles. Em ambos os lados, os nervos estavam à flor da pele e o povo estava assustado. Todo o Oriente Médio estava em crise.

Foi no meio deste caos que Nossa Senhora de Zeitoun apareceu.

Era a tarde de 2 de abril de 1968. Um mecânico de ônibus muçulmano chamado Farouk Mohammed Atwa estava trabalhando do outro lado da rua da igreja copta de Santa Maria em Zeitoun, um distrito de Cairo, no Egito. A igreja é venerada como um dos lugares onde os cristãos acreditam que a Sagrada Família ficou quando esteve no Egito.

De repente, algo no teto da igreja chamou a atenção: uma figura que parecia ser uma mulher jovem. Ela foi percebida por poucas pessoas que viram o mesmo. Preocupados que alguém estivesse a ponto de se suicidar, chamaram a polícia local. Uma multidão se reuniu para ver o espetáculo. E então, depois de alguns minutos, a bonita figura desapareceu rapidamente.

Durante os dias seguintes, todo mundo só falava nisso. Quem era? Para onde foi? O que significava? A Polícia disse que era apenas uma luz que estava refletindo de uma forma estranha, mas o povo sabia que não era só isso…

Exatamente uma semana depois, em 9 de abril, a figura apareceu novamente!

Como na primeira vez, ficou apenas alguns minutos antes de desaparecer. As pessoas começaram a reconhecer o que estava acontecendo: era a Virgem Maria!

Aqui está uma imagem de Nossa Senhora de Zeitoun:

Créditos: zeitun-eg.org

Ela começou a aparecer com mais frequência, às vezes permanecendo por horas. Às vezes, parecia inclinar-se até a cruz na igreja ou abençoar os que passavam na rua abaixo. E, às vezes, aparecia ao seu redor o que alguns consideravam ‘pombas iluminadas’.

Aqui está uma foto das supostas pombas:

Crédito: zeitun-eg.org

Grandes multidões acorriam em massa para ver Nossa Senhora de Zeitoun. Funcionários da igreja, do governo, cientistas, crentes e céticos, todos iam lá. O presidente do Egito na época, Gamal Abdel Nasser, visitou o local e viu a aparição.

Equipes de televisão fizeram reportagens. Os jornais tiravam fotos e escreveram sobre o fenômeno. A polícia fez outra investigação exaustiva, mas não obteve muitos resultados, pois não conseguiram encontrar nenhuma explicação natural ou humana.

Jornal egípcio de sexta-feira, 11 de abril de 1969/zeitun-eg.org

Então, o chefe da Igreja Ortodoxa Copta de Alexandria, o Papa Kyrillos VI de Alexandria, deu início a uma investigação. Ao mesmo tempo, um grupo de monjas católicas que viram a aparição enviaram um comunicado ao Vaticano, que por sua vez, enviou sua própria equipe para também investigar.

No entanto, como a aparição ocorreu em uma igreja copta, o Vaticano decidiu deixar que os funcionários coptas conduzissem e emitissem sua própria decisão.

E em 5 de maio de 1968, eles afirmaram que a aparição foi real!

E teve mais, o governo egípcio também fez uma investigação e, surpreendentemente, aceitou publicamente que as aparições haviam sido reais.

As aparições foram testemunhadas por centenas de milhares de pessoas, até que Nossa Senhora de Zeitoun aparecesse pela última vez em 1971.

Nossa Senhora de Zeitoun, rogai por nós!

[Leia também: Conheça a aparição mariana mais antiga na história da Igreja]