Sacerdote alerta: uma guerra espiritual está sendo travada, de que lado você está?

por -
Créditos: Nic Lee

Nas Escrituras, a imagem principal do relacionamento entre nós e Deus é a da família. Usamos termos familiares como noivo/noiva, filho/filha, pai/mãe e irmão e irmã para descrever as relações que devem existem entre nós e Deus e nós conosco mesmos.

No entanto, quando as Escrituras falam da relação entre o bem e o mal, entre Deus e o diabo, e entre nós e o diabo, as imagens da guerra e da batalha são quase exclusivamente usadas.

As Escrituras entendem que as linhas de batalha estão traçadas e a luta tem sido feroz. Em seu orgulho, o diabo realmente acredita que vencerá esta batalha. Ele travou guerra em bilhões de campos de batalha: cada coração humano.

Suas armas são mortais. Ele treina bem seus soldados como usar seus armamentos. Ele usa o orgulho, o medo, a ganância, a preguiça, a luxúria, a gula, a ira, a inveja e a indiferença para armar seus soldados de infantaria. Seus soldados não podem ferir a Deus, então eles atacam aquilo que Deus ama: nós.

O diabo conseguiu travar a guerra com sucesso, destruindo todas as civilizações, todos os empreendimentos humanos, até mesmo para causar danos significativos entre o povo santo de Deus. Ele nos faz lutar um contra o outro. Ele nos faz infligir a brutalidade do pecado uns aos outros como soldados frenéticos no calor da batalha. O diabo e seus servos não significam apenas prejuízos nesta vida, mas uma destruição eterna.

Como o pai da mentira, ele se iludiu com a mentira definitiva: que ele vai vencer.

Mas sabemos que Deus vence.

A criatura não pode derrotar o criador. Jesus Cristo, pela Paixão, Morte e Ressurreição, derrotou o diabo. O diabo não pode vencer. Sua guerra contra a humanidade só cresce. No entanto, Cristo não envia seus seguidores desarmados para a batalha que é a vida.

Em Efésios 6, 10-20, São Paulo usa essa imagem de guerra para explicar as defesas e armas que Cristo nos dá para lutar todos os dias. Ele nos lembra que nossa batalha não é contra carne e sangue (um ao outro), mas contra os poderes das trevas. Recebemos a armadura que é a justiça, o Evangelho, a fé e a salvação. Recebemos a Palavra de Deus como uma arma para combater o diabo. Isso Deus nos oferece.

Mas como as usamos?

Nas área militar, nenhuma força de combate profissional recebe armas e é enviada a campo no exato minuto em que se alista. Ocorre um treinamento básico.

Há um regime de educação e disciplina. O novo soldado é ensinado como usar suas armas com eficácia, o que fazer quando for atingido e os fundamentos da guerra. Simplesmente entregar armas a um novo soldado, dar um tapinha na cabeça dele e mandá-lo para a batalha é basicamente criar bucha de canhão. Nenhum general que queira vencer seria tão tolo. Nenhum rei que queira vencer seria tão negligente.

Quando Deus dá essas armas e armaduras, Ele também tem um plano de como nos ensinar a usá-las. Sem instrução, a armadura e as armas são relativamente inúteis. Como a armadura e as armas nos são fornecidas?

Nós, católicos, acreditamos que a armadura e as armas nos são dadas desde o momento do batismo em diante. É a graça transformadora de Deus que deposita esses dons dentro de nós. As sementes estão todas lá. Como qualquer armadura e arma, precisamos saber como usá-las. O objetivo da instrução na Igreja Católica é meramente para nos ensinar as mesmas aulas que podem ser ensinadas no mundo secular, mas para nos ensinar como usar essas armas e armaduras dadas a nós pela ação graciosa de Deus nos sacramentos. Pois acreditamos que na recepção adequada dos sacramentos, o Espírito Santo é depositado em nós para soprar em nós a graça de Deus.

Quando somos descuidados com o treinamento, não criamos soldados para Cristo, mas bucha de canhão para o diabo. É por isso que a falta de instrução está deixando tantos de nossos irmãos como armas fáceis de abater em batalha.

Cristo nos dá as armas da humildade para vencer o orgulho, fé, esperança e amor para vencer o medo, generosidade para combater a ganância, trabalho para combater a preguiça, justiça para combater a luxúria, temperança para combater a gula, perdão e paciência para combater a ira, gratidão para combater a inveja e a misericórdia para combater a indiferença. Além disso, porque todos eles estão ligados pelo Espírito Santo, também recebemos a ousadia de coragem e fortaleza para usar essas armas com eficácia. O uso dessas armas e armaduras requer uma disciplina profunda e conhecimento do que estamos tendo.

Dito isso, haverá momentos, especialmente naquele em que não temos certeza sobre como usar nossa armadura e armas de forma eficaz, onde seremos feridos (geralmente por nossas próprias mãos) e os ferimentos criados precisarão ser tratados. O valor medicinal da Reconciliação está no cerne da cura. O valor medicinal da Unção dos Enfermos também pode ser usado em algumas circunstâncias, quando a vida infligiu um golpe corporal.

Deus não nos deixará no campo de batalha para morrer. Sua Igreja atua não apenas como um meio de preparação para a batalha, mas como um hospital de campanha para os feridos. É horrível que qualquer padre limite ou feche esses hospitais de campanha, limitando o acesso à Confissão ou eliminando-os completamente.

No fim do dia, porém, devemos escolher um lado. Não podemos lutar pelos dois lados. Não podemos lutar do lado de Deus quando nos convém e do lado do diabo quando nos convém. Vamos ficar do lado que achamos que vai ganhar. Podemos compartilhar da ilusão que o diabo tem e acreditar que ele vence e, assim, largar nossa armadura e armas e pegar as dele. Podemos acreditar que Deus vence e pegar nossa armadura, nossas armas e se engajar na batalha. Não há meio termo. Na verdade, tentar estar em uma posição intermediária entre dois exércitos é provavelmente o lugar mais mortal para se estar.

O próprio Jesus diz que “quem não está comigo está contra mim”. Ele exige uma escolha. O lado em que você está determina em qual acampamento você ficará por toda a eternidade. A batalha continua sobre se queremos reconhecê-Lo ou não. Muito terreno foi perdido porque baixamos nossa guarda, nossa armadura e nossas armas. Podemos nos render na derrota ou reunir as tropas e retomar o campo.

Nós teremos que decidir de que lado nós estamos; e a qual exército nós pertencemos.

Este artigo foi escrito pelo Pe. Bill Peckman.

[Leia também: “Para queimar o demônio”: Padre revela 3 poderosas orações para a batalha espiritual]
[Leia também: “Nós triunfaremos”: batalha de exorcista com um demônio revela o poder de Cristo sobre o mal]