Vaticano adverte fiéis sobre supostas aparições da Virgem Maria

por -
Créditos: Wikipédia.

Em uma declaração emitida no dia 30 de dezembro de 2020, a Congregação para a Doutrina da Fé pediu para que não se promovessem “as supostas aparições e revelações” associadas ao título de “Nossa Senhora das Nações”. Foi o que disse o bispo holandês responsável por avaliar as aparições.

Trata-se de um conjunto de supostas visões (56, segundo o que se alega) que Ida Peerdeman, uma secretária que mora em Amsterdam afirmou ter recebido entre 1945 e 1959.

Em 25 março de 1945, viu a primeira aparição de uma mulher banhada em luz que se referia a si mesma como “A Senhora” e “Mãe”. Em 1951, a mulher supostamente lhe disse que desejava ser conhecida como “A Senhora de todas as Nações”.

Neste mesmo ano, o artista Heinrich Repke criou uma pintura da “Dama”, que a representa de pé sobre um globo e na frente de uma cruz.

Vaticano adverte os fiéis sobre a devoção da “Senhora de todas as Nações”

O bispo Johannes Hendriks, de Haarlem-Amsterdam, comunicou que o escritório doutrinal do Vaticano considera que o título de “Senhora das Nações” de Maria é “teologicamente aceitável”.

“No entanto, o reconhecimento deste título não pode ser entendido, nem sequer implicitamente, como o reconhecimento da sobrenaturalidade de alguns fenômenos dos que parecem provir”.

“Neste sentido, a Congregação para a Doutrina da Fé reafirma a vigência do juízo negativo sobre a sobrenaturalidade das supostas “aparições e revelações” à Sra. Ida Peerdeman aprovado por São Paulo VI em 05/04/1974 e publicado em 25/05/1974”.

“Este julgamento implica que todos são instados a cessar qualquer propagação sobre as alegadas aparições e revelações da Senhora de Todas as Nações. Portanto, o uso de imagens e orações não pode ser considerado de forma alguma um reconhecimento, nem mesmo implícito, da sobrenaturalidade dos fatos em questão“.

Ainda em 1956, o bispo Johannes Huibers de Haarlem havia declarado que depois de uma investigação, não havia encontrado “evidência da natureza sobrenatural das aparições”.

Por último, o bispo Hendriks assinalou que: “O uso do título ‘Senhora de Todas as Nações’ para Maria em si mesmo é teologicamente aceitável. A oração com Maria, através da intercessão de Maria, Mãe de nossos povos, serve para o crescimento de um mundo mais unido, no qual todos se reconheçam como irmãos, todos criados à imagem de Deus, nosso Pai comum”.

Resta ainda um ponto importante que todos os católicos devem considerar: “Em relação ao mero título ‘Senhora’, ‘Mãe’, ou ‘Mãe de todas as nações’, a Congregação em geral não se opõe ao uso, sempre que esteja claramente separado das supostas aparições”.

“Se invoca-se a Virgem Maria sob este título, os pastores e fiéis devem estar seguros de que todas as formas desta devoção se abstenham de qualquer referência, inclusive implícita, a supostas aparições ou revelações”.

Você já tinha ouvido falar neste título ou nestas supostas aparições?

[Leia também: O dia em que até o demônio louvou a Imaculada Conceição de Maria]
[Leia também: Quando a Virgem Maria disse em 1600 o que aconteceria com a família em nosso tempo]