“A Eucaristia me deu a vida”: a conversão ao catolicismo da filha de Joseph Stalin

por -
Créditos: Wikipedia / Piqsels.

Svetlana Stalin, embora preferisse usar o sobrenome da mãe -Alliluyeva- foi educada no ateísmo mais rígido e implacável. Seu pai, Joseph Stalin, é reconhecido como um dos ditadores mais sangrentos do século XX e um declarado inimigo da religião. No entanto, após uma longa jornada, sua filha, Svetlana, renunciou ao materialismo para abraçar a fé católica.

Em um artigo escrito para o National Catholic Register, Matt Archbold conta essa incrível história de conversão.

“A Eucaristia me deu a vida”: a conversão ao catolicismo da filha de Joseph Stalin

Josef Stalin é conhecido por ter cometido alguns dos crimes políticos mais hediondos da história da humanidade: perseguição, prisão, tortura, deportação para campos de trabalhos forçados, assassinatos e muito mais.

Svetlana recordava: “Hoje, muitas pessoas acham mais fácil pensar nele [Stalin] como um monstro físico grosseiro. Na verdade, ele era um monstro moral e espiritual. Isso é muito mais assustador. Mas é a verdade.”

No entanto, descobrir a verdadeira face de seu pai levaria alguns anos. Na escola, Svetlana recebia bilhetes de colegas cuja mãe ou pai haviam sido “desaparecidos” pelo estado. Eles imploravam que ele os trouxesse de volta.

“Meu pai teve uma morte terrível e difícil”, escreveu Svetlana. “A agonia da morte foi terrível. Ele literalmente morreu sufocado enquanto o observávamos. No que pareceu o último momento, ele de repente abriu os olhos e olhou para todos na sala. Era um olhar terrível, louco ou talvez raivoso e cheio de medo da morte. Então, de repente, ele ergueu a mão esquerda. O gesto foi incompreensível e cheio de ameaças”, acrescentou.

Após sua morte em 1953, a filha de Stalin passou a viver em desgraça com o governo soviético. Mas lentamente seu processo de conversão começou. Ela rejeitou o sobrenome “Stalin”, passou a usar o de sua mãe e em 1962 foi batizada na Igreja Ortodoxa Russa. Mas Deus lhe preparava algo mais.

Foi durante uma viagem à Índia em 1966 que pediu asilo na embaixada dos Estados Unidos. No ano seguinte, ele pousou na América do Norte. Sua vida pessoal, porém, ainda era complicada: ela mudou de religião em religião, casou-se, divorciou-se, teve um filho, regressou para a União Soviética e depois voltou para os Estados Unidos.

A conversão

Foi então que recebeu o chamado de Deus por meio de um padre católico: o padre Giovanni Garbolino. Sob sua orientação, em dezembro de 1982, a filha de Joseph Stalin se converteu à fé católica.

Só agora compreendo a maravilhosa graça que os sacramentos da Penitência e da Sagrada Eucaristia produzem, em qualquer dia do ano, e até diariamente. Antes, eu não estava disposta a perdoar e me arrepender, e nunca poderia amar meus inimigos. Mas me sinto muito diferente de antes, pois vou à missa todos os dias”, lembrou.

A Eucaristia me deu vida. O sacramento da Penitência com Deus, a quem abandonamos e traímos todos os dias, o sentimento de culpa e de tristeza que então nos invade, tudo isso torna necessário recebê-lo com frequência”.

Esta mulher, que cresceu essencialmente sem mãe, escreveu: “Fui levada nos braços da Bem-Aventurada Virgem Maria. Quem mais poderia ser minha advogada senão a Mãe de Jesus? De repente, ela me atraiu para ela”.

Svetlana Stalin Alliluyeva faleceu reconciliada com Deus em 2011, longe do ateísmo e materialismo em que foi criada por seu pai.

Deus ama e deseja salvar todos os Seus filhos!

[Leia também: Jesus foi o primeiro socialista? Desconstruindo essa falácia]
[Leia também: Professor ateu de Harvard se converte por intercessão da Virgem Maria]