A história real de quando um padre conheceu seu anjo da guarda

por -
Créditos: Dimitri Conejo Sanz

O Pe. Dwight Longenecker compartilhou em seu blog um fascinante testemunho. Simplesmente um encontro que ele teve com o seu anjo da guarda!

Ainda que muitas pessoas tentem dizer que foi só coisa da sua imaginação, ele está muito certo da experiência que teve…

Leia o relato do sacerdote:

Subi a famosa montanha até o Monte São Miguel e encontrei a sede da comunidade religiosa. Eles vivem nos aposentos do ex-abade, no lado esquerdo, conforme você se aproxima do mosteiro no topo. Eles me acolheram, mostraram meu quarto e entrei na vida deles por alguns dias.

A atmosfera na montanha quando os turistas vão embora é incrível. O silêncio e o canto dos pássaros, o horizonte distante do mar e a sensação de estar separado da terra, suspenso entre dois mundos é simplesmente incrível e avassalador. Uma visita turística ao Monte São Miguel é ótima, mas estar lá na solidão leva você completamente a outro reino.

Naquela noite, em meu quarto simples, acordei às três da manhã. Eu estava bem acordado e ciente de uma presença ao pé da minha cama. Pareceu-me ter cerca de sete pés de altura. Muito forte e calmo. Muito poderoso e cheio de paz.

Em minha mente, perguntei: “Quem é você?” A resposta foi: “Seu anjo da guarda. Estou caminhando com você nesta jornada”. Eu perguntei se eu poderia saber o nome do anjo e ele concordou, mas eu nunca deveria contar a ninguém. Descansei então naquela presença pelo que me pareceu muito tempo antes de voltar a dormir.

A memória desta experiência não só ainda está vívida em minha mente, mas a consciência da presença contínua desse anjo também é forte quase diariamente se eu parar para pensar.

Então eu paro para analisar – porque é assim que eu sou – e fico certo de que minha experiência angelical poderia muito bem ser nada mais do que uma experiência subjetiva dentro da minha própria mente.

O cético diria: “Você passou por momentos estressantes de transição em sua vida. Você estava indo para uma grande aventura com muitos fatores desconhecidos. Voce estava cansado. Você percorreu um longo caminho. Você estava encharcado e desanimado. Você também estava, portanto, em um estado de espírito altamente impressionável. Você estava aberto a ilusões”.

“Além disso, a experiência maravilhosa de estar no Monte São Miguel já levou a este estado de ânimo. O lugar inteiro era transcendente com a proximidade do mar e do céu. Além disso, e o mais importante, você acreditava em anjos e queria ter uma experiência angelical”.

“Em outras palavras, você inventou. Foi uma invenção da sua imaginação. Aconteceu às três da manhã. É sabido que esse é um período em que a mente é particularmente suscetível à ilusões, porque é quando você está no mais profundo sono”.

“Se você realmente não sonhou com tudo isso, foi a melhor coisa depois de um sonho. Você acordou, mas ainda estava em um estado de semi-sonho. Sua mente produziu o que você entendeu ser um encontro com seu anjo da guarda”.

“Isso não foi real. Não existem anjos. Se você estivesse no parque do Harry Potter, provavelmente estaria nos contando que teve um encontro com Hagrid”.

Estou ciente desse ponto de vista incrédulo e não posso ignorá-lo. Tudo isso pode muito bem ser verdade, mas então me lembro do comentário de Santa Joana D’Arc em seu julgamento – ou talvez fossem palavras colocadas em sua boca por George Bernard Shaw em sua peça sobre Joana.

De qualquer forma, os juízes em seu julgamento rejeitaram suas visões como sendo “tudo em sua imaginação” e ela respondeu: “Claro. De que outra forma Deus falaria comigo, exceto através da minha imaginação?”

O que me leva a considerar a inteligência da garota. Nossa imaginação não deve ser descartada levianamente. Em nossa era científica e cínica, nós desprezamos a imaginação. Pensar que não é bom para muito mais do que apreciar literatura de fantasia ou noções sentimentais da Nova Era. Mas é claro que a imaginação é sem dúvida o aspecto mais poderoso e importante de nossas mentes.

Toda a grande arte vem da imaginação. Todas as grandes invenções começam com a imaginação. Todas as grandes literaturas são criadas na imaginação. Todas as orações, religião, espiritualidade e inspiração nascem da imaginação.

A imaginação é nosso portal para a eternidade. É o aspecto criativamente humano de nossa mente que se parece mais com Deus, o Criador, porque a imaginação de Deus está sempre trabalhando, sempre criando, sempre fazendo conexões inesperadas e trazendo encontros inesperados.

Isso é também o que significa ter uma espiritualidade abundante e cheia de fé. A imaginação deve estar viva e ativa em nossa vida de oração. A imaginação é um grande presente que nos abre para compreender mais plenamente a mente criativamente abundante de Deus.

Então o meu encontro com o anjo foi tudo fruto da minha imaginação?

Claro. De que outra forma meu anjo estaria em contato comigo, exceto através da minha imaginação?

Santos Anjos da Guarda, rogai por nós!

Testemunho postado originalmente no blog do Pe. Dwight Longenecker.

[Leia também: 5 exemplos de como os Anjos da Guarda atuaram na história]
[Leia também: Padre especialista em anjos explica o que todo católico deveria saber sobre eles]