Bispo explica porque deseja um Natal “desconfortável” a todos os católicos

por -
Créditos: Wikipedia.

Todos os anos, no dia 25 de dezembro, celebramos o Natal. No entanto, um bispo escreveu uma carta há quase 20 anos dirigida aos fiéis, nos quais deseja desconforto para esta festa. Por quê? Porque assim, segundo ele, se experimenta o verdadeiro sentido do Natal.

Monsenhor Antonio Bello (1935-1993), um bispo italiano, escreveu uma carta intitulada “Desejos incômodos”. Com sã ironia e crítica, Monsenhor Antônio nos convida a refletir sobre uma forma diferente de viver o espírito natalino.

Bispo explica porque deseja um Natal “desconfortável” a todos os católicos

“Caros amigos, não cumpriria o meu dever de bispo se dissesse ‘Feliz Natal’ sem incomodá-los. Eu, ao contrário, quero incomodá-los. Na verdade, não suporto a ideia de ter que enviar desejos inofensivos e formais impostos pela rotina do calendário. Até fico lisonjeado com a hipótese de que alguém os rejeite como spam.

Muitos desejos incômodos, então, meus queridos irmãos!

Jesus que nasce do amor dá-te as náuseas de uma vida egoísta, absurda, sem impulsos verticais e te permite inventar uma vida cheia de doação, oração, silêncio, coragem. Que a Criança que dorme na palha tire o seu sono e faça com que o travesseiro da sua cama fique duro como pedra, até que você acolha um despejado, um pobre.

Deus que se torna homem te faz sentir um verme cada vez que a tua carreira se torna o ídolo da tua vida, os planos, o projeto dos teus dias, as costas do vizinho, o instrumento da tua escalada.

Maria, que só encontra no esterco dos animais o berço onde depositar ternamente o fruto do seu ventre, obriga-vos com os seus olhos feridos a suspender a saudade de todas as canções de ninar do Natal, até que uma consciência hipócrita aceite que a lata de lixo e o incinerador de uma clínica tornam-se o túmulo sem cruz de uma vida reprimida.

(…) José, que diante de mil portas fechadas é o símbolo de todas as decepções paternas, perturba a ressaca dos seus jantares, reprova o calor do seu bingo, provoca curtos-circuitos ao desperdício de suas luzes, até te colocar na crise do sofrimento de tantos pais que derramam lágrimas secretas pelos filhos sem sorte, sem saúde, sem trabalho.

Os Pobres que correm para a gruta, enquanto os poderosos conspiram nas trevas e a cidade dorme indiferente, faça-os entender que, se vocês também querem ver “uma grande luz”, devem começar dos últimos lugares.

Que os pastores que velam à noite, “cuidando do rebanho” e perscrutando a alvorada, deem-lhe o sentido da história, a emoção das expectativas, a alegria do abandono a Deus. E eles inspiram em vocês o desejo profundo de viver pobre, que é a única maneira de morrer rico.

Feliz Natal! Em nosso velho mundo agonizante, nasce a esperança.”

O que você achou da mensagem?

[Leia também: A trégua de Natal: quando soldados inimigos se uniram para celebrar o Nascimento de Jesus durante a Primeira Guerra Mundial]
[Leia também: Esta é a única coisa que não pode faltar no seu Natal, diz sacerdote]