Cientistas fazem impressionante descoberta de como a fé atua no cérebro

por -
Créditos: camilaoka

Pesquisadores do Hospital Universitário Brigham para Mulheres, da Faculdade de Medicina de Harvard, fizeram uma incrível descoberta recentemente: em novo estudo, eles conseguiram identificar como a fé e a espiritualidade atuam no cérebro humano!

[Leia também: 15 cientistas que também foram sacerdotes]

Cientistas fazem impressionante descoberta de como a fé atua no cérebro

Por meio de exames de imagem, os especialistas identificaram que existe um circuito cerebral específico ligado à fé. Ele está localizado numa área chamada de Substância Cinzenta Central, bastante estudada por médicos há tempos. Esta região é responsável pelo comportamento abnegado e até pelo amor incondicional.

O estudo foi divulgado na revista Biological Psychiatry e explica que a fé faz parte da dinâmica neurobiológica fundamental, além de também estar ligada ao tecido neurológico. E esta descoberta maravilhou os cientistas, pois mostra que a fé está num local “primitivo” do cérebro.

Para o estudo, foi utilizada uma técnica conhecida como mapeamento de rede de lesões, que analisa os comportamentos humanos mais complexos a partir da localização de lesões cerebrais.

Foram entrevistados centenas de pacientes que tiveram tumores retirados em diversos locais do cérebro. Todos responderam uma série de perguntas sobre como se sentiam em relação à dimensão espiritual antes e depois do procedimento. Depois, compararam os resultados com de pessoas que haviam sofrido traumas cerebrais durante a Guerra do Vietnã.

Com o resultado do mapeamento da rede de lesões, os cientistas descobriram que havia na Substância Cinzenta Central nódulos positivos e negativos, que eram afetados dependendo do local da lesão, o que fazia aumentar ou diminuir a fé dos pacientes.

Como exemplo, eles explicam que pessoas que desenvolvem doenças como Parkinson, podem ser afetadas nas regiões positivas do circuito, por isso têm mais chances de sentir um decréscimo da espiritualidade.

Os estudiosos alertam, porém, que apesar desta descoberta ser muito importante para melhor compreensão do cérebro humano, não é uma regra. Assim, não significa dizer que determinada doença gerará com certeza uma “diminuição” da fé ou vice versa.

Muito interessante!

[Leia também: Ir à missa diminui riscos de depressão e protege contra o suicídio, diz estudo de Harvard]
[Leia também: Professor ateu de Harvard se converte por intercessão da Virgem Maria]
Victoria Arruda
Victoria Arruda é jornalista, ama filmes, livros, música, teologia, política e... pizza. Escreve sobre coisas aleatórias, pra combinar com suas preferências pessoais.