Com sonho de ser missionária, menina de 10 anos morre e seu testemunho comove a internet

por -
Créditos: Divulgação

A história desta menina de 10 anos que morreu nesta semana com um tumor na cabeça comoveu as redes sociais! E muitos a estão comparando à Santa Teresinha do Menino Jesus. Entenda o porquê!

A história de Teresita Castillo de Diego foi compartilhada pelo Pe. Ángel Camino Lamela, Vigário Episcopal da Arquidiocese de Madri, numa emocionante carta dirigida aos fiéis do Vicariato. Ele contou que a conheceu quando estava visitando enfermos no Hospital La Paz, no dia 11 de fevereiro. Os capelães então sugeriram que ele fosse até o quarto de Teresita, que sofria de uma doença grave tinha uma cirurgia marcada para o dia seguinte.

“Chegamos à UTI devidamente equipados, cumprimentei os médicos e enfermeiras, e depois me levaram para o leito de Teresita, que estava ao lado de sua mãe Teresa. Uma bandagem branca envolvia toda a sua cabeça, mas seu rosto estava suficientemente descoberto para perceber um rosto verdadeiramente brilhante e excepcional“, disse Pe. Ángel.

Ao ver o sacerdote, Teresita perguntou: “Você traz Jesus para mim, certo?”, e completou: “Sabe de uma coisa? Eu amo muito Jesus”. Então sua mãe lhe disse: “Diga a Ángel o que você quer ser”. Teresita então respondeu: “Eu quero ser missionária”.

Comovido e emocionando, o padre contou: “Foi totalmente inesperado para mim”. Ele disse ainda: “Tirando forças de onde não tinha, pela emoção que a resposta me produziu, eu disse a ela: ‘Teresita, eu a constituo agora mesmo missionária da igreja, e de tarde vou lhe trazer o documento de credenciamento e a cruz missionária’“.

O documento assinado pelo arcebispo e a cruz fazem parte do “kit missionário” que os jovens da Arquidiocese usam quando vão em missão a lugares distantes e difíceis, para provar que de fato estão ali em nome da Igreja.

Pe. Ángel relata então que lhe deu a Unção dos Enfermos, a Comunhão e a benção apostólica do Papa Francisco. “Foi um momento de oração, extremamente simples, mas profundamente sobrenatural. Juntaram-se a nós algumas enfermeiras que espontaneamente tiraram algumas fotos nossas, totalmente inesperadas para mim, e que ficarão como uma memória inesquecível. Nos despedimos enquanto ela e a mãe, ficaram ali, rezando e fazendo ação de graças”.

O sonho se torna realidade

Pe. Ángel então se dirigiu ao Vicariato para preparar toda a documentação e a cruz para levar para Teresita. E como ele mesmo conta, “às cinco da tarde estava novamente ao Hospital La Paz. Os capelães estavam me esperando e fomos direto para a UTI”.

“Assim que a mãe me viu, disse em voz alta: ‘Teresita! Você não vai acreditar! O Sr. Vigário está vindo com um presente para você'”.

Radiante, a menina logo fez um pedido à mãe: “Põe essa cruz na cabeceira para que eu a veja bem e amanhã vou levar para a sala de cirurgia. Já sou missionária”.

Em entrevista a um jornal espanhol, a mãe de Teresita informou que “ela já tinha duas válvulas que haviam falhado e cada vez que uma válvula falhava e ficava obstruída causava muita dor”, por isso, o presente veio para de fato tornar especial um momento muito difícil.

No domingo, 7 de março, Teresita faleceu. Como uma verdadeira missionária.

Pe. Ángel conta, surpreso, que o testemunho dela alcançou centenas de pessoas no mundo inteiro, inclusive o Delegado Nacional de Missões. “Ele me ligou no dia seguinte e me fez a seguinte pergunta: ‘Você constituiu como missionária uma menina no Hospital La Paz?’ Efetivamente, lhe disse, a constituí missionária com a oração preceptiva e depois levei para ela o documento e a cruz missionária”.

O delegado disse então que “este testemunho ficou conhecido em todo o mundo missionário da Espanha e colocaram Teresita como a nova protetora para as crianças em missão“.

O funeral de Teresita aconteceu no dia seguinte, 8 de março, e contou com a presença do Arcebispo de Madrid, cardeal Carlos Osoro.

Como Santa Teresinha do Menino Jesus, proclamada padroeira das missões sem nunca ter saído do claustro carmelita, também com certeza Teresita Castillo de Diego foi uma grande missionária em seu quarto de hospital: oferecendo suas dores a Jesus e evangelizando todos que a conheceram!

Rezemos por ela e pelo conforto de seus familiares!

[Leia também: Assim foram os últimos dias de vida do beato Carlo Acutis]
[Leia também: Com leucemia, menina de 10 anos recebe a Primeira Comunhão no hospital]