Deputado levanta no Congresso a cruz de tio sacerdote que foi martirizado

Créditos: Contando Estrelas/Youtube/Reprodução

O deputado espanhol Francisco José Contreras virou notícia após elevar uma cruz em memória de seu tio-avô sacerdote, martirizado durante a Guerra Civil Espanhola e que será beatificado em breve.

O fato aconteceu na manhã do dia 2 de dezembro, quando o Congresso dos Deputados da Espanha debatia os orçamentos da Presidência. O deputado questionava a decisão do governo de dedicar 11 milhões de euros para “políticas de memória democrática”.

Em seu argumento, o deputado expressou que estas políticas não viam as vítimas da Guerra Civil como vítimas espanholas, ou seja, que todas as pessoas do país sofreram, e sim dando mais ênfase a que lado da luta pertenciam.

A Guerra Civil Espanhola ocorreu de 1936 a 1939 entre as forças republicanas e as forças nacionais. O resultado foram centenas de milhares de mortos, muitos deles padecendo inclusive não por combate, mas por terem sido considerados suspeitos de simpatizar com o lado contrário.

Destas vítimas, milhares foram católicos assassinados apenas por o serem: bispos, sacerdotes, religiosos e leigos. Muitos foram reconhecidos como mártires pela Igreja.

Aqui é possível ver o deputado levantando a cruz no Congresso:

Clique aqui caso não consiga ver o vídeo

No minuto 2:36 o deputado começa:

Na semana passada se anunciou a beatificação de 127 novos mártires da Guerra Civil. Um deles era meu tio-avô, Rafael Contreras Leva. Foi assassinado com um machado, em Baena (Córdoba), por ser sacerdote.

E com certeza, este [levanta a cruz] é o crucifixo que ele levava no momento de ser assassinado. É o que levava ao peito quando lhe deram a machadada.

Tanto ele como os 80 reféns presos com ele foram mortos pelo que eram, não pelo que haviam feito. Não haviam feito nada, eram mortos por serem católicos”.

Santos mártires, rogai por nós!

[Leia também: Beatificação de nova mártir brasileira é adiada para 2021]
[Leia também: Qual a diferença entre martírio e suicídio? O escritor Chesterton explica de forma genial!]