Igreja concede o perdão para padre socialista que se arrependeu

O Papa Francisco concedeu “com benevolência” a absolvição de “todas as censuras canônicas” impostas a Pe. Ernesto Cardenal, o sacerdote nicaraguense hoje com 94 anos suspenso a divinis em 30 de janeiro de 1985.

Informou o núncio apostólico do Nicarágua, Dom Waldemar St Sommertag, numa nota que o religioso esteve “35 anos sob suspensão do exercício do ministério devido a sua militância política”, porém “o religioso aceitou a pena canônica imposta” e ateve-se “sempre a ela”, “sem levar adiante nenhuma atividade pastoral”, tendo abandonado “há muitos anos todos e qualquer empenho político”.

Primeira Missa celebrada depois de 30 anos

No último domingo (17/02), Pe. Cardenal celebrou uma missa ao lado de Dom Sommertag em um leito de hospital, onde se encontra internado desde o início deste mês de fevereiro, na cidade de Managuá, no Nicarágua.

Vatican News

Para Pe. Cardenal essa missa foi a primeira celebração eucarística após mais de 30 anos, isto é, desde quando lhe foi notificada a suspensão a divinis. Em 1983 João Paulo II, em visita ao país centro-americano, convidou publicamente Pe. Cardenal a demitir-se e a conformar-se às prescrições canônicas: tendo rejeitado, foi-lhe imposta a suspensão a divinis.

O núncio apostólico comunicou a Cardenal a medida de plena reintegração decidida pelo Papa Francisco, transmitindo-lhe a bênção de Francisco a fim de que o religioso possa viver este momento da sua vida em paz com o Senhor e com a Santa Igreja. Pe. Cardenal expressou gratidão ao Santo Padre e ao próprio núncio.

Por que Pe. Cardenal recebeu a suspensão a divinis?

Pe. Cardenal era um dos nomes mais expoentes da teologia da libertação da América Latina e defendia ferrenhamente o socialismo, sistema ideológico condenado pela Santa Igreja.

[Leia também: O que realmente é a Teologia da Libertação?]

O padre chegou a ser nomeado ministro da cultura do Nicarágua, e mesmo depois de uma série de exortações da Santa Sé, sendo uma delas feita publicamente por São João Paulo II, pedindo para que ele deixasse o cargo político, continuou ainda por mais alguns anos.

Até que em 1985 a Santa Sé suspendeu Pe. Cardenal, até o último domingo quando foi plenamente reintegrado ao corpo de Cristo, que é a Santa Igreja.

Oremos para que todos aqueles que se encontram separados da Igreja se convertam e retornem para a casa do Pai.

Comentários

comentários