O primeiro santo de “terno e gravata”? A bela história do empresário Enrique Shaw

por -
Créditos: Divulgação

Um empresário rico pode se tornar santo? Conheça a história de Enrique Shaw, um empresário argentino que morreu em 1962, e testemunhou, com sua vida, um autêntico espírito cristão.

[Leia também: Conheça Jacques Fesch: um assassino que encontrou a misericórdia de Deus]

O primeiro santo de “terno e gravata”? A bela história do empresário Enrique Shaw

Certa vez, em entrevista a um jornalista mexicano, o Papa Francisco revelou: “Estou buscando a causa da beatificação do empresário argentino, Enrique Shaw, que era rico, mas santo. Uma pessoa pode ter dinheiro. Deus concede dinheiro para que ele possa ser bem administrado. E este homem administrou bem. Não com paternalismo, mas fazendo crescer aqueles que precisavam de sua ajuda”.

Enrique Shaw nasceu em Paris em 26 de fevereiro de 1921, filho de pais argentinos. Sempre se distinguiu por uma profunda fé religiosa. Aos 14 anos decidiu ingressar na Escola Naval Militar na Argentina.

Ele sempre foi um bom leitor e este constantemente em busca de respostas para suas próprias preocupações espirituais. Aos 16 anos começou a ler livros sobre economia, filosofia, história e ciência.

Em 1943, em Buenos Aires, conheceu Cecilia Bunge, com quem se casou e teve nove filhos, um deles tendo virado sacerdote.

Mas a inquietação crescia e Enrique não sabia qual era a missão que Deus lhe pedia. Conversando com um padre, ele finalmente conseguiu enxergar mais claramente. Deus lhe pedia um apostolado específico: levar o Evangelho ao mundo dos negócios. Semear a esperança, saber observar a realidade, renunciar ao aparente benefício do momento, fazer a ponte entre quem conhece os problemas e quem está imerso nos problemas.

Ingressou na Ação Católica e no Movimento da Família Cristã. Em 1946, o Episcopado Argentino deu-lhe a tarefa de organizar, junto com outros empresários, a ajuda que o país prestaria à Europa recém-saída da Segunda Guerra Mundial.

Sua maior aspiração, no entanto, continuava sendo ajudar a classe dominante do país. Foi assim que fundou a Associação Cristã de Empresários (ACDE) da qual foi o primeiro presidente. Foi assim que sua intensa ação evangelizadora se espalhou em toda a América Latina.

Nesta época, e devido ao seu intenso apostolado e seguimento da Doutrina Social da Igreja, foi muito perseguido pelo governo comunista e anti-cristão de Juan Perón. Em uma ocasião, chegou a ser preso e, numa atitude caridosa, oferecia alimentos e colchões (trazidos por seus familiares para ele) aos companheiros de cela.

Em 1957, Enrique foi diagnosticado com um câncer. Uma luta tenaz o acompanhou, mas isso não o impediu de manter uma intensa atividade participando de sessões do Congresso, dando palestras, publicando livros e escrevendo diários e manuscritos.

Em 1961, a empresa que liderava foi vendida para um grupo norte-americano, que decidiu demitir centenas de funcionários. Tentando impedir que isso acontecesse, Enrique propôs um plano para manter todos os trabalhadores.

Nestes últimos momentos, viu-se nele um homem totalmente unido a Cristo. “Não basta fazer as coisas bem, ou mesmo muito bem. É preciso ser totalmente de Cristo, pensar se cada ação que realizamos está de acordo com as intenções do Coração de Cristo”, dizia.

Em meados de 1962, já bastante debilitado, precisou de uma transfusão de sangue; e houve grande comoção entre os funcionários da empresa. Pessoas que trabalhavam no hospital onde Enrique estava internado ficaram impressionadas com a quantidade de gente que se dispunha a ir doar sangue. O próprio Enrique diria depois que estava honrado que o sangue de seus colegas trabalhadores corria pelas suas veias.

Enrique morreu aos 41 anos, em 27 de agosto de 1962, depois de muito sofrer com a doença e fazer uma viagem a Lourdes, desejada por sua família, mas que ele quis oferecer não pela sua saúde, mas pela de seus parentes e amigos.

A Santa Sé confirmou em 25 de setembro de 2001 que aprovou a validade jurídica da causa de beatificação e canonização de Enrique Shaw, que foi proclamado Servo de Deus.

Oremos:

Ó Deus, teu servo Enrique nos deu um alegre exemplo de vida cristã através de seus deveres cotidianos na família, no trabalho, na empresa e na sociedade. Ajudai-me a seguir seus passos com uma profunda vida de união contigo e de apostolado cristão. Dignai-me glorificar-Te e concedei-me por sua intercessão o favor que vos peço (fazer pedido). Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.

A santidade é para todos!

[Leia também: Serva de Deus brasileira será beatificada em dezembro; conheça sua história!]
[Leia também: Conheça a jovem leiga e mãe de 3 filhos que pode ser beatificada em breve]