Prefeito de Belém diz que “Círio de Nazaré não é mais da Igreja Católica” e arcebispo rebate

Créditos: Moovit/Reprodução

A festa do Círio de Nazaré, em Belém do Pará, é a maior manifestação católica do Brasil há mais de 200 anos e atrai católicos de todo o país para homenagear a Virgem de Nazaré.

Mas nesta sexta-feira (2), o prefeito de Belém (PA), Edmilson Rodrigues (PSOL), deu uma polêmica declaração sobre a tradicional festa, dizendo que ela “já não é mais da Igreja Católica”. A fala causou indignação entre os fiéis e a Arquidiocese também lamentou o ocorrido.

[Leia também: Cássia Kis rezará “Rosário pela Pátria” na madrugada do dia 7 de setembro]

Prefeito de Belém diz que “Círio de Nazaré não é mais da Igreja Católica” e arcebispo rebate

A falta do prefeito ocorreu durante um comício do candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na ocasião, Edmilson se dirigia ao petista e sua mulher Rosângela, que segurava a imagem de Nossa Senhora de Nazaré presenteada pelo político de esquerda.

“Venha, venha festejar o Círio e ver a maior festa religiosa do mundo, onde evangélicos, umbandistas, candombleristas, todos participam, porque a festa é do povo. Já não é mais da Igreja Católica”, disse o psolista.

Veja o vídeo:

Clique aqui caso não consiga ver o vídeo

“O Círio sempre será da Igreja”, diz Arquidiocese

Neste sábado (3), a Arquidiocese de Belém se pronunciou por meio de uma nota de esclarecimento “sobre uso indevido do Círio em manifestação pública”. O documento, assinado pelo arcebispo Dom Alberto Taveira Corrêa, afirma que as “palavras pronunciadas pelo prefeito feriram completamente não só a comunidade católica, mas a veracidade dos fatos históricos”.

Veja a nota na íntegra:

“A Arquidiocese de Belém lamenta profunda e publicamente as afirmações proferidas no dia 1º de setembro, em Belém, em que sua excelência o Prefeito Municipal declarou o Círio de Nazaré como não pertencente à Igreja Católica.

As palavras pronunciadas pelo prefeito feriram completamente não só a comunidade católica, mas a veracidade dos fatos históricos, uma vez que em sua edição de número 230, o Círio de Nossa Senhora de Nazaré sempre foi e sempre será da Igreja Católica Apostólica Romana.

Sabemos que o Círio é tido como a maior festa religiosa do mundo, uma grandiosa manifestação de fé e devoção a Nossa Senhora de Nazaré, inclusive reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial pelo IPHAN e declarado Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO e, como tal, tem significativa influência na cultura paraense, sem deixar de ser expressão plenamente católica.

Assim sendo, toda e qualquer pessoa se sinta bem-vinda para viver e participar desta manifestação mariana, independentemente de sua devoção. Porém, jamais será permitida pela Arquidiocese de Belém qualquer manifestação que pretenda se apossar e muito menos ultrajar nossa fé católica, independente das intenções ou pretensões de qualquer ordem.

Convidamos a todo povo de Deus a manifestar a ação de graças por mais um Círio a ser realizado com toda a dignidade, e conclamamos, mais do que nunca, que preservemos em nossos corações a maior devoção mariana de nosso povo, o Círio de Nazaré. Sintam-se todos convidados, ninguém se sinta excluído e todos respeitem nossa fé católica, como procuramos respeitar o direito de liberdade religiosa em nossa sociedade.

Desejamos manter o relacionamento atencioso e dialogal com todas as autoridades legitimamente constituídas, como já fizemos nesta ocasião, ao manifestar nossa estranheza e solicitar manifestação pública esclarecedora, em vista da superação do impasse e do escândalo indesejado por todos, certos de que as instâncias civis e religiosas continuarão a exercer sua própria missão, mantendo a necessária autonomia correspondente à liberdade religiosa garantida pela Constituição Brasileira.

Belém do Pará, 3 de setembro de 2022, Festa de São Gregório Magno, que foi Prefeito de Roma e Papa!”

“O Círio nasceu católico e sempre será católico!”, ressalta sacerdote

Pelas redes sociais, o Pe. Gabriel Vila Verde escreveu um post sobre a situação. “O prefeito de Belém do Pará afirmou que o Círio de Nazaré não é mais da Igreja Católica, pelo fato de ser uma festa que também atrai pessoas de outros credos”, disse ele.

“No entanto, o Sr. prefeito deve entender que a participação de pessoas nao católicas em um evento como este, não muda em nada a essência da festa, assim como a entrada de políticos num templo católico não faz do templo um patrimônio público. O Círio nasceu católico e sempre será católico!

Ele pertence à Igreja, assim como é o Cristo Redentor, a estátua do Padre Cícero, a basílica de Aparecida, o manto de Guadalupe, a Gruta de Lourdes, o convento da Penha, o Santo Sudário, os túmulos dos apóstolos, a Capela Sistina e tantos outros tesouros que estão sob nossa guarda e proteção.

Todos podem ver, todos podem usar, todos podem entrar, todos podem participar, mas continuam sendo coisas da Igreja Católica Apostólica Romana, da qual ninguém leva, ninguém tira e ninguém toma!”

Prefeito pede desculpas

Devido à imensa repercussão negativa da fala, o prefeito Edmilson Rodrigues (PSOL) também emitiu um comunicado dirigido à “comunidade católica e especialmente ao arcebispo metropolitano Dom Alberto Taveira” para se desculpar pelas palavras.

“Ao me referir à grandiosidade e importância do Círio de Nossa Senhora de Nazaré – maior manifestação católica do mundo — ressaltei que ela era uma festa de todo o nosso povo, que, portanto, contava com a participação de pessoas das mais diversas religiões”, diz um trecho.

E continuou: “venho aqui ratificar o meu mais profundo respeito à Igreja Católica e à comunidade que tem mantido essa singular e grandiosa demonstração de fé à Padroeira de todo o povo paraense”.

O que você achou das declarações?

[Leia também: Governo colombiano manda desmontar capela católica em aeroporto de Bogotá]
[Leia também: Polícia da Nicarágua entra na Cúria e prende o bispo Rolando Álvarez]
Victoria Arruda é jornalista, ama filmes, livros, música, teologia, política e... pizza. Escreve sobre coisas aleatórias, pra combinar com suas preferências pessoais.