Vaticano rejeita presença de Joe Biden em missa do Papa Francisco

Créditos: Vatican Media.

Nesta segunda-feira (14), circulou um boato sobre um possível encontro entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o Papa Francisco.

No entanto, fontes do Vaticano confirmaram à Catholic News Agency que não há encontro agendado com o Santo Padre.

A mesma fonte confirmou ao portal de notícias que a comitiva do presidente havia originalmente solicitado que Biden participasse da missa com o papa no início da manhã.

Mas a proposta foi rejeitada pelo Vaticano após considerar o impacto que teria se Biden recebesse a Sagrada Comunhão do Papa na véspera das discussões que a Conferência dos Bispos dos Estados Unidos planeja ter durante a reunião que começa quarta-feira, 16 de junho.

Espera-se que os bispos dos Estados Unidos votem sobre a criação de um comitê para redigir um documento sobre a coerência eucarística.

O problema de Joe Biden sobre a comunhão pública surge porque o presidente dos Estados Unidos demonstrou publicamente seu apoio ao aborto.

[Leia também: Arcebispo pede que Joe Biden deixe de se denominar católico por ser a favor do aborto]

O presidente Joe Biden está atualmente na Europa com o objetivo de realizar várias reuniões de alto nível. Isso lhe deu uma potencial oportunidade de se encontrar com o Papa Francisco. No entanto, tal encontro não ocorrerá neste contexto.

O Papa Francisco e Biden se encontraram duas vezes. Em 2015, quando o Papa visitou os Estados Unidos para participar do Encontro Mundial das Famílias na Filadélfia. E em 2016 Biden foi ao Vaticano para uma cúpula sobre medicina regenerativa.

Joe Biden e a fé católica

Durante a campanha eleitoral, Joe Biden fez questão de dizer que era um “católico devoto” e que suas políticas seriam baseadas no ensinamento católico. Em um vídeo, ele chegou a dizer “tenho a grande vantagem da minha fé, a doutrina social católica e meus pontos de vista políticos coincidem”.

Porém ao assumir a presidência, o que fez foi o oposto. Ainda no primeiro mês de mandato, Biden oficializou a saída do país da aliança mundial contra o aborto. Ele assinou uma ordem executiva revogando a política da Cidade do México, reimplementada pelo ex-presidente Donald Trump, e também permitiu que EUA voltem a financiar organizações abortistas fora do país.

Na ocasião, a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB) enviou uma mensagem a Biden ressaltando a importância de lutar a favor da vida.

A mensagem, assinada pelo presidente Dom José Gomez, dizia que“para os bispos da nação, a contínua injustiça do aborto continua sendo a ‘prioridade preeminente’. Embora preeminente, não significa ‘única’. Temos uma preocupação profunda com as muitas ameaças à vida e à dignidade humanas em nossa sociedade”.

Em 2019, também o padre Robert Morey negou a comunhão para o então candidato à Presidência, Joe Biden, por sua posição favorável ao aborto.

O que você achou da decisão?

Com informações da Catholic News Agency.

[Leia também: Joe Biden permite que EUA voltem a financiar organizações abortistas fora do país]
[Leia também: Bispo diz que Biden é desonesto ao “se gabar” de devoção à Virgem Maria enquanto defende o aborto]