“Voltaremos a celebrar de forma clandestina?” questiona padre sobre fechamento das igrejas

por -
Créditos: Adrian Martínez Cádiz

A Igreja Católica estaria vivendo novos tempos de perseguição? Sabemos que vivemos tempos de pandemia e que existem várias restrições em diversos aspectos da nossa vida. Mas como conciliar este “novo normal” com a liberdade religiosa? O Pe. Gabriel Vila Verde publicou em seu Facebook nesta quinta-feira (8) um texto que pode nos ajudar muito a refletir sobre o assunto!

Confira na íntegra:

“O inimigo não dá tréguas à Igreja. No início, eram os imperadores romanos que proibiam as missas, forçando o povo cristão a celebrar no escuro das catacumbas. A Igreja também enfrentou a Revolução Francesa, onde milhares de padres e freiras foram levados à guilhotina “em nome da lei”.

No México, o presidente Calles também usou de seu poder passageiro para fechar igrejas, matar padres e prender cristãos. Na Rússia, muitos templos católicos foram transformados em centros de reuniões políticas, onde a foto de Lênin substituía as imagens do Crucificado. Hoje, em tempos de pandemia, o vírus é usado como argumento para cancelar missas, enquanto os ônibus circulam repleto de passageiros, e os aviões cheios, sem nenhum distanciamento.

Voltaremos a celebrar de forma clandestina? Que as lideranças cristãs do Brasil abram os olhos e se recordem da frase de Jesus a Pilatos: “Quem me entregou a ti, tem pecado maior”. (Jo 19,11)”.

Muitos internautas aproveitaram para comentar a situação e concordar com o texto: “Verdade padre. Mais atualmente muitos cristão não acredita mais em se reunir na igreja. Acha que pode rezar e casa e assistir missa on-line”.

Outra usuária disse: “Verdade, e quando o padre tenta continuar o pastorear seu rebanho, com a palavra, com a Eucaristia, denunciam “em nome do amor ao próximo”, tempos sombrios….”

E você, o que está disposto a fazer para defender sua Cristo e a Igreja nos dias de hoje?

[Leia também: Jim Caviezel critica igrejas fechadas durante pandemia e diz: “muitos de nós interpretam Judas”]
[Leia também: A impressionante visão sobrenatural que um padre jesuíta teve da Santa Missa]