A história do purgatório que todos os políticos deveriam conhecer

por -
Créditos: Heraldo de Oregón / Wikipedia

Atualmente a política -e os políticos- vivem como se Deus não existisse. Muitos governos se comportam como se Cristo nunca tivesse vindo ao mundo e desenvolvem políticas que ignoram o Evangelho, isto quando não vão totalmente contra ele.

No entanto, assim como cada um de nós terá que prestar contas por seus atos diante do Altíssimo, assim também deverão fazer os políticos. E a parábola dos talentos nos previne sobre o destino daqueles que utilizam os dons de Deus para seu próprio proveito.

Mesmo o Evangelho sendo bem claro quanto a isso, as revelações privadas -em particular as visões de almas do purgatório- nos fazem ver mais claramente o destino dos maus governantes.

Em seu livro “Entre o céu e a terra”, María Vallejo-Nágera compila visões do purgatório de religiosos, beatos, santos e até papas. E entre eles, há um relato que todos os políticos deveriam conhecer.

A história do purgatório que todos os políticos deveriam conhecer

Santa Isabel, princesa da Hungria e duquesa de Turíngia (1207-1231), teve uma revelação de sua própria mãe, a rainha Gertrudes da Hungria, no purgatório.

Depois da morte dela, Santa Isabel viveu durante muito tempo oferecendo sufrágios eucarísticos e numerosas orações pelo descanso da alma da sua mãe. Mas durante um êxtase Jesus lhe revelou que suas orações ainda não tinham sido atendidas.

Até que uma noite a rainha Gertrudes apareceu a Santa Isabel. A santa estava em seu quarto rezando pela sua mãe defunta quando esta lhe apareceu ao pé da cama, se ajoelhou e lhe disse comovida:

“Filha minha, aqui vês a tua mãe, a teus pés, sobrecarregada pelo sofrimento. Venho implorar-te que multipliques teus sufrágios para que a Divina Misericórdia possa libertar-me dos espantosos tormentos que sofrem minha alma. Ah, que grande juízo têm as pessoas que tiveram em vida grande autoridade sobre os outros!

Agora expio as graves faltas que cometi durante meu reinado. Oh, filha minha. Reza por mim! Lembra-te das dores de parto que padeci para te trazer ao mundo, dos cuidados e preocupações que sofri para te educar. Por tudo isso, te rogo que alivies meu tormento”.

A partir deste momento, Santa Isabel dedicou longas horas à oração para libertar sua mãe. Até que um dia sua mãe voltou a aparecer, rodeada de luz e esplendor, e com total estupor ela a viu sendo elevada ao céu, onde desapareceu para sempre.

Muitas dores no purgatório aguardam aqueles políticos corruptos que trazem guerras, fome e violência ao seu povo…

Peçamos a Deus que eles se deem conta disso e trabalhem pelo bem comum!

[Leia também: Políticos que defendem o aborto não devem receber a Eucaristia, disse Bispo dos EUA]
[Leia também: O que os católicos devem esperar caso Joe Biden seja eleito presidente dos EUA]