Especialista católico explica o que são fantasmas e faz um alerta

por -
Créditos: Internet/Reprodução

Fantasmas realmente existem? E se sim, o que os católicos deveriam saber sobre eles?

O escritor católico Dr. Peter Kreeft, professor de filosofia no Boston College, dá um sonoro “sim” à primeira pergunta e uma grande explicação à segunda.

“[Mesmo] [sem] nossa ação ou convite, os mortos frequentemente aparecem para os vivos”, diz Kreeft. “Há uma enorme evidência de ‘fantasmas’ em todas as culturas.”

[Leia também: Existe vida extraterrestre? Veja o que diz este sacerdote astrofísico]

A primeira coisa que os católicos devem saber sobre fantasmas, explica Kreeft, é que não devemos tentar contatá-los ou nos comunicar com eles. Qualquer tipo de envolvimento com o ocultismo ou espiritismo é pecaminoso.

“Está além do nosso alcance”, explica Kreeft, e existe “o perigo de que os espíritos malignos nos enganem”. Portanto, quando se trata de coisas sobrenaturais, devemos nos apegar exclusivamente a Deus, Sua revelação e Sua Igreja.

Mas como a existência de fantasmas se encaixa em nossa fé?

Kreeft sugere que existem três tipos de fantasmas, um de cada lugar após a morte:

1) Fantasmas do inferno

“Existem espíritos maliciosos e enganadores”, explica Kreeft, “e como eles são enganosos, quase nunca parecem maliciosos. Esses são provavelmente os que respondem aos feitiços nas sessões. Eles provavelmente vêm do inferno. Mesmo a possibilidade de isso acontecer deve ser suficiente para aterrorizar qualquer tentação de necromancia… “

2) Fantasmas do purgatório

Este é “o tipo mais familiar: os tristes, os magros”, explica Kreef. “Eles parecem estar resolvendo algum assunto terreno inacabado, ou passando por alguma purificação do purgatório até que sejam libertos de seus assuntos terrenos. Esses fantasmas parecem ser aqueles que acabaram de chegar ao Purgatório, que ainda sentem pouca ou nenhuma alegria e que precisam aprender muitas lições dolorosas sobre sua vida na Terra.

3) Fantasmas do céu

Finalmente, “há os espíritos brilhantes e felizes de amigos e familiares falecidos, especialmente cônjuges, que aparecem espontaneamente, pela vontade de Deus, não a nossa, com mensagens de esperança e amor. Eles parecem vir do céu. Ao contrário dos fantasmas do purgatório que voltam principalmente para seu próprio bem, esses espíritos brilhantes voltam para o nosso bem, para nos dizer que tudo está bem”.

No entanto, não é um ensinamento oficial da Igreja, mas uma reflexão teológica à luz da experiência. Portanto, nenhum católico é obrigado a acreditar nisso.

O que você acha?

[Leia também: Os católicos devem acreditar em fantasmas? Aqui está a resposta de um exorcista]
[Leia também: A Reencarnação é compatível com a fé cristã?]