Frequentando a Adoração Eucarística, este policial ouviu o chamado e virou padre!

Créditos: Rai 3/Todo Cambia

Ele foi de policial a sacerdote graças à Adoração Eucarística! E o livro que conta a história de Don Ernesto Piraino “do uniforme à batina” foi publicado recentemente.

A editora Herkules Books publicou o trabalho autobiográfico de um jovem padre que vestiu o uniforme da Polícia Estadual por muitos anos antes de fazer seus votos. O site Avvenire.it, em 24 de outubro, compartilhou uma entrevista que nos ajuda a entender como a fé é capaz de transformar a vida de alguém!

[Leia também: Irmãos gêmeos são ordenados sacerdotes: “O primeiro seminário foi a família”]

Frequentando a Adoração Eucarística, este policial ouviu o chamado e virou padre!

Ernesto, de 42 anos, ingressou na polícia aos 19 anos e fez seus votos em 2017. Na época, trabalhava para o escritório de aviação da sede da polícia de Messina e morava em Scilla, na Itália. 

Ele cresceu em uma família católica, então tinha uma certa vivência de fé, mas não a viveu plenamente. Em novembro de 2006, teve início a adoração eucarística perpétua na igreja de Maria SS. Imaculada em Scilla.

Alguns meses antes, ele havia rompido com a noiva depois de seis anos e a um passo do casamento. Naquele dia, Jesus começou a mudar sua vida, tornando-se cada vez mais indispensável e, incrivelmente, “onde quer que fosse, encontrava a adoração eucarística perpétua”.

Nos 4 anos seguintes, Ernesto conheceu outras mulheres muito bonitas, mas embora se sentisse bem com elas, havia sempre uma insatisfação estranha que o invadia.

Em 2010 falou com seu pai espiritual sobre este crescente desejo de consagrar-se a Deus e em 2011, aos 32 anos, iniciou a formação no seminário.

“Por algum tempo eu ainda era policial. Seminarista e policial”, conta ele. Quando foi ordenado, todos os seus colegas policiais estavam lá e foi uma festa que ele nunca imaginou!

Assim, ele descreve sua experiência de adoração eucarística: “É um caminho em que continuo a confiar e a deixar-me guiar. Aprendi a ver seu Rosto na Eucaristia, e depois no rosto do irmão. O eremita aprende a vê-lo em tudo. Seu Rosto me acompanha nas horas de meditação, no ministério de confissão, no tempo dedicado ao acolhimento e à direção espiritual… Vou me recarregar mergulhando no silêncio e na solidão do meu pequeno Tabor”.

Que lindo testemunho!

[Leia também: [Testemunho] Vocação sacerdotal quase foi interrompida por um aborto]
[Leia também: Seminarista com câncer terminal é ordenado sacerdote em cama de hospital]