Papa aceita renúncia de bispo que queria discutir ordenação sacerdotal para mulheres

Créditos: Hanspeter Baertschi

O Papa Francisco aceitou nesta segunda-feira (9) a renúncia de um bispo suíço que havia, recentemente, se disposto a participar de um conselho para discutir a possibilidade de ordenação de mulheres ao sacerdócio.

O anúncio foi confirmado pelo escritório de imprensa da Santa Sé. O bispo auxiliar de Basel, na Suíça, Denis Theurillat, tem 70 anos e informou que estava pedindo aposentadoria antes da idade costumeira pela “grande demanda” em seu escritório.

“Percebi que havia chegado a hora de parar e pensar em um novo capítulo em minha vida”, expressou ele.

Discussão sobre ordenar mulheres ao sacerdócio

O bispo gerou polêmica após afirmar que ficaria feliz em participar de conselhos para discutir uma possível abertura à ordenação sacerdotal para mulheres. Na ocasião, ele afirmou que “Os fatos estão sobre a mesa, o momento é oportuno. Todos os bispos do mundo devem se reunir e decidir: sim ou não”.

Ele disse ainda que a decisão não devia ser apenas do Santo Padre, pois a Igreja, então, poderia “experimentar um cisma”. As declarações foram dadas ao portal católico alemão CNA Deutsch.

O que diz a Igreja Católica

Na carta apostólica Ordinatio sacerdotalis, de 1994, São João Paulo II confirmou de uma vez por todas que “a ordenação sacerdotal, pela qual se transmite a missão, que Cristo confiou aos seus Apóstolos, de ensinar, santificar e governar os fiéis, foi na Igreja Católica, desde o início e sempre, exclusivamente reservada aos homens”.

Ele declara “que a Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja”.

O Papa Francisco também comentou em 2019 que “sobre a ordenação de mulheres na Igreja Católica, a palavra final é clara, e foi dita por São João Paulo II e permanecerá“.

Rezemos pela Santa Igreja e por seus pastores!

[Leia também: Presidente da Conferência Episcopal Alemã propõe que protestantes também possam comungar]
[Leia também: Biden tira EUA da aliança mundial contra aborto; para bispos, defesa da vida é a maior prioridade]